Falar Brasileiro: 480 anos de ignorância

Marcos Bagno
Typography

 

480 anos de ignorância

Por Marcos Bagno

Uma coisa que sempre surpreende os linguistas é a incapacidade que a maioria das pessoas tem de reconhecer que a linguagem humana é um objeto de estudo científico e que, como tal, é preciso conhecer alguns princípios básicos dessa ciência antes de se emitir qualquer opinião a seu respeito. Essa incapacidade é visível principalmente entre jornalistas. Quando vão abordar qualquer outro assunto, desde como não deixar um suflê murchar até a exploração das luas de Júpiter, sempre recorrem a quem tenha um mínimo conhecimento de causa, de experiência e de formação para tratar do assunto. Mas quando o tema é língua, nada disso: bastam as noções mais rasteiras, o senso comum mais bisonho, a superstição mais descabelada. E, pior, tudo isso apresentado num discurso de grande pompa e circunstância, como se fosse o suprassumo da sapiência divina. Só que não é.

Pior do que a afirmação de tolices monumentais é a reação de muitas pessoas, supostamente letradas (e, de novo, com destaque para os jornalistas), quando se metem a contrapor argumentos ao trabalho de linguistas profissionais. Ouvem cantar o galo, não investigam se era mesmo um galo ou um papagaio, entendem o canto pela metade e saem disparando petardos contra alegações que nenhum linguista profi ssional em sã consciência jamais faria. Junte-se a isso o fascismo golpista que se apoderou dos nossos maiores meios de comunicação e a desgraça fica completa.

 

Leia mais:

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

Colunistas

Para ex-ministra, a chance de o Brasil voltar ao Mapa da Fome é enorme

Ladislau Dowbor: Estamos destruindo o mundo por uma minoria

A prova de que essa situação não é nada nova está nestas palavras de Fernão de Oliveira, que escreveu a primeira gramática do português, publicada em 1536 (isso mesmo: 1536): “Eu não dou licença que alguém possa ser meu juiz, senão quem ler os livros que eu li, e com tanto trabalho, e tão bem ou melhor entendidos. E ainda assim, a sentença há de ser que para emendar meus erros escrevam da mesma matéria outras obras melhores, nas quais mostrem saber mais que eu disto que falamos. E senão, tudo o que mais fi zerem é murmurar, que não cabe entre homens sabedores, pois quanto à dos ignorantes não faço conta. E bem sei que não deixam de repreender senão o que não entendem”.

É triste verificar que essas palavras, sem tirar nem por, permanecem válidas 480 anos depois, apesar de todos os avanços científicos e progressos culturais ocorridos nesse longo período. A recusa dos togados, dos letrados e dos escribas em geral em reconhecer que nada sabem sobre o funcionamento das línguas, nem da sua própria, só demonstra o que nós, linguistas e sociólogos da linguagem, sabemos há muito tempo: que a língua é um instrumento de controle social poderosíssimo, de opressão e de repressão, de exclusão social e de conservação dos privilégios. Por isso, desvendar seus mistérios, desmistifi car seu uso, democratizar seu conhecimento é um grave perigo, um perigo que os poderosos de sempre nunca querem correr. Muito menos aqui e agora, no Brasil, que volta a ser uma ditadura, chefi ada precisamente pelos ignorantes que juram de pés juntos que falam bonito, enquanto praticam crimes dos mais sórdidos contra toda a população do País. Fora, Temer!


 Marcos Bagno é linguista, escritor e professor da UnB (www.marcosbagno.org)

 

Artigos Relacionados

Receita de sucesso garantido Receita de sucesso garantido
FALAR BRASILEIRO Leia artigo do linguista Marcos Bagno, publicado na edição 242 de Caros Amigos,...
Fé, essência e outras babagens Fé, essência e outras babagens
FALAR BRASILEIRO Leia coluna de Marcos Bagno, publicada na edição 241 de Caros Amigos (...
Faça o que eu digo, porque eu mesmo não faço! Faça o que eu digo, porque eu mesmo não faço!
FALAR BRASILEIRO Leia coluna de Marcos Bagno, publicada na edição 240 de Caros Amigos, nas bancas...

Leia mais
×