A Besta está solta na terra do tio Sam

José Arbex Jr.
Typography

 

A Besta está solta na terra do tio Sam

Por José Arbex Jr.

“Ainda não estamos na barbárie”, dizia o bom e velho militante marxista Vitor Letízia, mesmo após a invasão do Iraque, em 2003, pelos Estados Unidos, quando foram mortos centenas de milhares de seres humanos, incluindo mulheres, velhos e crianças. Mas o que falta, então? “Note que para invadir o Iraque, a Casa Branca teve que inventar uma grande mentira, a de que Saddam Hussein estaria fabricando ou em posse de armas de destruição em massa. Tiveram que fazer uma imensa campanha de convencimento da opinião pública estadunidense e mundial. Contaram com o total apoio dos meios de comunicação de massa. Estaremos em plena barbárie quando os pretextos deixarem de ser necessários. Quando eles se sentirem livres para bombardear outros povos e países, sem terem que recorrer a mentiras.”

Donald Trump é isso.

Não que Hillary Clinton, sua adversária à campanha presidencial dos Estados Unidos, fosse muito melhor. Longe disso. “Killary” apoiou o ataque ao Iraque, em 2003; como secretária de Estado tramou o golpe que depôs o presidente de Honduras Manuel Zelaya, em 2009, e foi uma das principais arquitetas da operação que depôs Muamar Gadafi, em 2011 (ao tomar conhecimento da execução do ditador líbio, em outubro daquele ano, proferiu a frase, aos risos: “Viemos, vimos e ele morreu”), além de conduzir uma política absolutamente desastrosa na Síria. Mas, ao contrário de Trump, “Killary” não era uma “arrivista” concorrendo à Casa Branca, alguém de fora do establishment que resolveu apostar numa aventura. Ao contrário. Seu perfil como política era bem conhecido, até por ter exercido as funções de senadora e secretária de Estado no governo Obama. De certa forma, portanto, representava uma elite que, embora detestada (junto com Trump, era campeã de rejeição em pesquisas de opinião), era portadora de uma certa tradição. Bem ou mal, tinha que responder ao Partido Democrata.

"Trump, o vencedor, não tem que responder a nada nem a ninguém. É um franco-atirador hediondo, um empresário vulgar, especializado em cassinos, que acumula em sua biografia os qualificativos de machista, misógino, xenófobo e racista"

Trump, o vencedor, não tem que responder a nada nem a ninguém. É um franco-atirador hediondo, um empresário vulgar, especializado em cassinos, que acumula em sua biografia os qualificativos de machista, misógino, xenófobo e racista. A instauração da barbárie não se mede, no caso, pela realização efetiva de suas ameaças: a famosa construção de um muro separando os Estados Unidos do México, a deportação de 11 milhões de hispânicos ilegais, o registro policial da comunidade islâmica que já vive no país, além da proibição da entrada de imigrantes árabes e muçulmanos (apenas para ficar no terreno das medidas de controle populacional, sem falar de outras áreas do governo). Provavelmente, cumprirá parcialmente algumas e não conseguirá realizar outras (a deportação de 11 milhões de seres humanos, em 4 anos de governo, exigiria uma logística que levaria o país à exaustão). A barbárie se mede pelo fato de que um sujeito com esse programa venceu as eleições.

Nos primeiros dez dias após a vitória de Trump, os Estados Unidos experimentaram um aumento extraordinário nas taxas de crime de ódio, de acordo com um estudo publicado pela ONG Southern Poverty Law Center, que luta em defesa dos direitos civis. Entre 9 de novembro (o dia após a eleição) e 18 de novembro, houve 867 incidentes de assédio e intimidação, em que os agressores invocaram o nome de Trump, deixando claro que o surto de ódio era principalmente devido ao seu sucesso na eleição. O maior número de incidentes ocorreu em 9 de novembro, com 202 registros. A hostilidade aos imigrantes foi predominante, seguida por atitudes contra negros e semitas (incluindo árabes islâmicos e judeus). Já antes das eleições, os comícios de Trump eram marcados por episódios em que apoiadores faziam abertamente a saudação nazista dos braços estendidos. Agora, eles se sentem com carta-branca para agir.

 

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

Leia mais:

Sombras da ditadura

De farsa em farsa, a "nova República" morreu

"Superimperialismo" anuncia catástrofes

Trump deu algumas declarações em que procura se distanciar dos grupos racistas e xenófobos mais radicais, como a KKK (Ku Klux Klan). Mas, ao mesmo tempo, nomeou como seu assessor direto o militante de extrema-direita Steve Bannon, um escritor de roteiros de Hollywood que, entre outras coisas, acredita na superioridade branca, defende a proibição da venda de propriedades para pessoas de “certas características raciais”, e como editor do site de ultradireita Breitbart.com desenvolveu especial virulência contra ativistas negros e muçulmanos. Também designou o senador Jeff Sessions ao cargo de procurador geral da república. Sessions, como Bannon, simpatiza com ultranacionalistas brancos e tem uma longa história de luta contra os direitos civis, desde que exercia a função de promotor público no Alabama, nos anos 1980. Isso para não falar dos “falcões” que nomeou para outros cargos estratégicos, como o ministério da Defesa, e sem falar dos ataques à juventude e aos trabalhadores, com o anúncio de medidas que vão acabar com o mínimo de garantias sociais que ainda estão em vigor (incluindo acesso à saúde e educação).

"A Besta, portanto, está solta. Novamente, não foi Trump que “inventou” a xenofobia, a ideologia da supremacia racial e o preconceito contra imigrantes ilegais. O humanista Barack Obama deportou, ao longo de seus oitos anos de governo, cerca de 3 milhões de hispânicos, além de ter promovido as já mencionadas barbaridades todas no Oriente Médio e outras regiões. Mas Trump avança vários degraus. Arranca qualquer máscara de civilidade, convoca preconceitos, ódios e medos profundamente arraigados na sociedade estadunidense e anuncia a barbárie como virtude"

A Besta, portanto, está solta. Novamente, não foi Trump que “inventou” a xenofobia, a ideologia da supremacia racial e o preconceito contra imigrantes ilegais. O humanista Barack Obama deportou, ao longo de seus oitos anos de governo, cerca de 3 milhões de hispânicos, além de ter promovido as já mencionadas barbaridades todas no Oriente Médio e outras regiões. Mas Trump avança vários degraus. Arranca qualquer máscara de civilidade, convoca preconceitos, ódios e medos profundamente arraigados na sociedade estadunidense e anuncia a barbárie como virtude. É o bombardeio do Iraque sem justificativas nem pretextos a que se referia Vitor Letízia. Não será em nada despropositada a eventual comparação da trajetória de Trump com a carreira meteórica de um jovem aventureiro vulgar, completamente insano e prisioneiro de um narcisismo sem medidas que, nos anos 1930, assumiu o poder na Alemanha, ancorado num programa político demencial que se resumia a preconizar a “salvação” do país mediante a perseguição (e depois extinção) de judeus, esquerdistas, ciganos, homossexuais e alemães que nasceram com “defeito” genético (como não recordar que Trump, durante a campanha, ridicularizou o jornalista Serge Kovaleski, por apresentar sintomas de artrogripose, uma condição congênita que afeta o movimento das articulações).

Só há uma possibilidade de deter Trump, ou de pelo menos limitar a amplitude da devastação moral e humana que ele anuncia: a resistência já demonstrada nas ruas pelos movimentos da juventude e de organizações que lutam em defesa dos direitos humanos e civis. Não são poucos. Cerca de 8 milhões de apoiadores registrados de Bernie Sanders – os mesmos que organizaram Occupy Wall Street e o movimento contra o 1% que domina a economia mundial – mostram o seu tremendo potencial de luta. Choques e conflitos serão inevitáveis, e o impacto de suas ondas se fará sentir em todo o planeta, para o bem e para o mal.


 

José Arbex Jr. é jornalista e professor da PUC-SP

Artigos Relacionados

 Um perigoso palhaço na Casa Branca Um perigoso palhaço na Casa Branca
NAS BANCAS Leia coluna do jornalista José Arbex Jr., publicado na edição 239 de Caros Amigos...
"Volver a los 17"
COLUNA "Cem anos depois, temos que volver a los 17, se quisermos sobreviver como espécie". Leia...
Sombras da ditadura Sombras da ditadura
COLUNA Na edição 236 de Caros Amigos, o jornalista José Arbex Jr. escreve sobre o recrudescimento...

Leia mais
×