Dzi Croquettes

Padre Beto
Typography

 

Dzi Croquettes

Por Padre Beto

Acredito que poucas pessoas conhecem o grupo “Dzi Croquettes”, que se tornou símbolo da contracultura e chegou a confrontar a ditadura militar, usando a ironia e a inteligência. O filme Dzi Croquettes, de Raphael Alvarez e Tatiana Issa, mostra os espetáculos que revolucionaram os palcos com homens de barba e pernas cabeludas, com sapatos de salto alto e roupas femininas. O grupo se tornou um enorme mito na cena teatral brasileira e parisiense nos anos 70. Ao assistí-lo, hoje, podemos perceber a influência que muitos artistas tiveram ao desenvolver o seu trabalho, como Elis Regina, Secos & Molhados, Frenéticas, e muitos outros.

Além de toda criatividade e arrojo do grupo, o documentário deixa claro sua mentalidade revolucionária para a época. Os membros do Dzi Croquettes não se compreendiam como homens ou mulheres, mas simplesmente como seres humanos e procuravam disseminar esta visão através do estranhamento que causavam na forma de se comportarem, dançarem e se vestirem. Por incrível que pareça, em pleno século 21, as pessoas ainda se rotulam e se preocupam com os rótulos: homem, mulher, gay, lésbica, padre, pastor, religioso, ateu, evangélico, católico, umbandista, brasileiro, estrangeiro, negro, branco, rico, pobre, corintiano, palmeirense etc. É claro que cada um deve possuir sua identidade e conhecê-la com profundidade para não cair na incoerência.

 

Leia mais:

Lixo Extraordinário

Sobre a vontade de mudar o mundo e o pessimismo do acomodado

PUBLICIDADE

Woodstock

 

Mas o problema não é a identidade que assumo, mas a criação de rótulos. O rótulo, como costumamos usar a palavra, ao mesmo tempo em que diferencia as pessoas em grupos, as padronizada. Rotular as pessoas significa padronizá-las e retirar delas um dos direitos fundamentais do ser humano: a liberdade. Milton Santos, um dos maiores pensadores que o Brasil já teve, afirmou, em uma de suas últimas entrevistas, que a humanidade encontra-se ainda em uma fase embrionária. Isso é uma grande verdade. Os seres humanos não se compreendem como seres humanos.

"Os seres humanos estão longe de realmente se tratarem como uma humanidade e, ao mesmo tempo, se respeitarem em sua individualidade e em sua liberdade"

Os seres humanos estão longe de realmente se tratarem como uma humanidade e, ao mesmo tempo, se respeitarem em sua individualidade e em sua liberdade. Mas, não é por esta constatação que devemos nos acomodar. Se faz sim necessário aprofundar dois conceitos que parecem divergentes, mas que se completam mutuamente: a igualdade e a liberdade. Os seres humanos precisam compreender que são iguais, que são feitos do mesmo material, são seres humanos. Como tais devem possuir direitos fundamentais iguais, como o direito ao trabalho, ao estudo, alimentação, saúde etc. Ao mesmo tempo, possuem responsabilidades fundamentais iguais.

Todos são responsáveis pela sociedade, pelo que temos em comum e que chamamos de público. Porém, ao compreendermos o que nos iguala, justamente encontramos o que nos diferencia. Ser humano significa ter a mesma condição de ser único, diferente, ou seja, ter a liberdade de viver sua identidade própria e ser respeitado nela. Somos iguais e diferentes, porque somos seres humanos. E somente nesta dinâmica da liberdade e da igualdade podemos melhorar, ao mesmo tempo, nossa vida social e individual.

Se a liberdade e a igualdade não são confrontadas com as circunstâncias concretas da vida, corremos o risco de nos padronizar e, ao mesmo tempo, nos dividir em “castas” e nos afastarmos criando preconceitos e “fantasmas”. Um exemplo bizarro e absurdo de uma sociedade sem igualdade e sem liberdade foi o do pai e filho que estavam abraçados em público e foram vistos como um casal gay. As pessoas se esquecem que não importa a qualidade do caixão, todos irão para uma cova.


 

♦ Padre Beto é escritor, cronista e filósofo. Formado em Direito pela Instituição Toledo de Ensino (ITE), em História pela Universidade do Sagrado Coração (USC) e em Teologia pela Ludwig-Maximillian, de Munique (Alemanha).

Artigos Relacionados

O homem elefante O homem elefante
REFLEXÃO Os seres humanos de uma sociedade de consumo vivem em um universo, no qual a imagem...
Hannah e suas irmãs Hannah e suas irmãs
COLUNA "Quando o mundo perfeito de Hannah é silenciosamente sabotado pela rivalidade fraterna, ela...
Clube dos cinco Clube dos cinco
ARTIGO Leia artigo de Padre Beto sobre o filme Clube dos Cinco (Foto: Reprodução)   Clube...

Leia mais