Sexo, pecado e religião

Padre Beto
Typography

Sexo, pecado e religião

Por Padre Beto*

Hoje é incrível como vemos com naturalidade lideres religiosos falando de fé e pregando o Cristo como se estivessem vivendo em uma sociedade justa. O pecado para a religião se tornou algo absurdo e sem reflexão. Outro dia, estava ouvindo um discurso de um professor de teologia da Canção Nova que deixava claro que o pecado que existe no ser humano é a vivência da sexualidade.

Para esse tipo de teologia, a sexualidade é uma mácula, um pecado original, que está no ser humano e contra ao qual devemos a todo custo lutar. Controlar a sexualidade, dizia o professor, é demonstrar amor a Deus. O jovem que não se masturba, dizia o professor, demonstra amor para com Deus. Os namorados que não possuem uma relação sexual demonstram amor para com Deus.

É simplesmente inacreditável que, em pleno século 21, a sexualidade ainda seja vista como algo negativo e a sua vivência uma demonstração de deslealdade para com Deus. Ora, Deus nos criou seres sexuados e o sexo não surgiu no homem pelo pecado, mas representa a natureza divina que temos.

A energia sexual é algo de muito belo e prazeroso. O ser humano que vive de forma saudável sua sexualidade se transforma em um ser centrado e pleno em suas outras dimensões. O sexo em si não é pecado. O pecado é o desamor. A masturbação não é desamor, a relação íntima e consentida entre duas pessoas adultas não é um ato de desamor.

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE
ao invés de lideres religiosos ficarem tão preocupados com a genitália de jovens e adolescentes, eles deveriam estar escandalizados com o sistema público de saúde que mais mata do que salva

Ao invés de lideres religiosos ficarem querendo castrar a sexualidade dos jovens, deveriam alertá-los de que qualquer ato de desamor é um pecado. Não é o sexo que nos afasta de Deus, mas os desejos e atos que destroem a vida e o ser humano. Por isso, ao invés de lideres religiosos ficarem tão preocupados com a genitália de jovens e adolescentes, eles deveriam estar escandalizados com o sistema público de saúde que mais mata do que salva.

As igrejas cristãs deveriam ter questionado, na época, como podemos sediar Copa do Mundo, Olimpíadas e Paralimpíadas se não temos uma política de base para os esportes, se os poucos atletas que temos precisam treinar fora do país, se a acessibilidade básica ainda está longe de ser uma realidade em nossas cidades. Isso é o mesmo que querer ter a cereja do bolo sem ter o bolo.

Os líderes religiosos deveriam estar saindo às ruas com suas comunidades exigindo o aumento de salário dos professores da rede pública de ensino, exigindo o aumento de salário dos policiais e o aumento da aposentadoria dos filhos de Deus que precisam continuar trabalhando na terceira idade.

As religiões que se dizem cristãs deveriam estar discutindo o sistema penitenciário e o narcotráfico se realmente pregam a mensagem de Jesus Cristo. Que tipo de pregação sobre o amor de Deus é essa que valoriza regras morais da época vitoriana e fecha os olhos para problemas tão sérios que atingem o ser humano.

Cada fiel que pertence a uma igreja deveria se perguntar: Meu bispo já fez uma visita oficial ao pronto atendimento da minha cidade? O meu padre já visitou oficialmente a câmara municipal para exigir alguma melhoria para o bairro? Meu pastor já se envolveu concretamente para que o Estado venha a cumprir com os direitos fundamentais dos cidadãos, sejam eles seus fieis ou não? Se a resposta for negativa, o fiel pode ter certeza que está fazendo parte de um clube social e não de uma verdadeira religião.

*Padre Beto, escritor, cronista, filósofo é formado em direito pela Instituição Toledo de Ensino (ITE), em história pela Universidade do Sagrado Coração (USC) e em teologia pela Ludwig-Maximillian, de Munique (Alemanha)

Artigos Relacionados

O milagre está fora das igrejas O milagre está fora das igrejas
REFLEXÃO não podemos acreditar que Deus faça milagres nas igrejas através de missas ou e...
Jesus te salvou do que, afinal? Jesus te salvou do que, afinal?
OPINIÃO "Jesus nos salva do 'pré-conceito' de qualquer espécie nos mostrando que cada ser humano...

Leia mais
×