Washington não deixará de apoiar incondicionalmente Israel, mas abre-se uma cunha no seu mundo político “doméstico”

Por José Arbex Jr.

O acordo celebrado entre o Irã e os Estados Unidos, caso perdure e produzaefeitos consistentes, mudará sensivelmente a equação do poder no Oriente Médio. Israel e Arábia Saudita diminuem sua importância relativa para Washington, na mesma proporção em que o Irã aumenta o seu poder geopolítico como potência regional, especialmente na área do Golfo. A Turquia, país-membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), fica numa posição delicada: teve que conter a escalada militar contra a Síria e reformular os termos de suas relações com o Irã, ao mesmo tempo em que enfrenta a tragédia representada pelas centenas de milhares de sírios, vítimas da guerra civil, que buscam refúgio em seu território. Em termos da geopolítica do petróleo, o acordo com o Irã tende a ter um jeito estabilizador: a suspensão do bloqueio econômico permite a retomada das exportações do óleo iraniano, com a provável pressão dos preços para baixo.

Leia a coluna completa na edição 202 de Caros Amigos nas bancas ou loja virtual

Pra Sempre

Por Sérgio Vaz

Cadê o menino?

É, o moleque de calças curtas que agora pouco corria sem destino por aqui, você não viu?

Mas ele passou bem diante dos teus olhos e quase te derrubou, tamanha bagunça que fez no teu coração.

E a menina? Como “Que menina?”, aquela com tranças enormes arrastando pelo chão, uma bonequinha.

Passou chupando o dedo pulando de pé em pé jogando amarelinha.

Leia a coluna completa na edição 202 de Caros Amigos nas bancas ou loja virtual

O GARRINCHA DOS TRAÇOS

Por Paulo Gilani

O colaborador de Caros Amigos e companheiro do Henfil desde o início do Pasquim, Claudius Ceccon, costuma lembrar que ao escrever um artigo sobre o amigo cartunista estava trocando o nome dele pelo de Garrincha, o melhor ponta-direita do mundo e a alegria do futebol, e então chegou à conclusão: “Henfil era, sim, o Garrincha do desenho do humor”.

Leia a coluna completa na edição 202 de Caros Amigos nas bancas ou loja virtual

Linguas ameaçadas

Por Marcos Bagno

Uma pergunta comum, motivada pela curiosidade das pessoas, é: “Quantas línguas são faladas no mundo?”. O número que circula entre os estudiosos é 7.000, mas, como diz o ditado, “sete é conta de mentiroso”. Por quê? Porque é muito difícil estabelecer com precisão matemática a quantidade de línguas faladas no nosso planeta. A razão disso é que definir o que é uma língua não é tarefa das mais fáceis. Os linguistas podem empregar seus critérios científi cos para decidir onde começa uma língua e onde termina outra, mas não existe consenso na comunidade dos pesquisadores. Se nem mesmo os especialistas conseguem responder, quando saímos do restrito ambiente científi co a coisa se torna ainda mais complicada.

Leia a coluna completa na edição 202 de Caros Amigos nas bancas ou loja virtual

Nos dois2PAULO FREIRE "A Paz e Terra lança o belíssimo álbum Nós Dois, com cartas, fotos e bilhetes do casal Nita Freire e Paulo Freire, este indicado Patrono da Educação Brasileira". Por Renato Pompeu (Foto: Divulgação)

Isaurinha Garcia, "a voz nacional do Brás"

Por eliete Negreiros

Nascida em 1923, em São Paulo, no Brás, na Rua da Alegria, nem por isso Isaurinha Garcia teve uma existência feliz. Sua trajetória artística e pessoal vem sempre descrita num tom triste, marcado pela falta de reconhecimento e pelos descompassos amorosos. Mas isso parece mesmo ser uma tônica na vida não só dos artistas, mas da humanidade, que vive à mercê de uma precária e impiedosa deusa da fortuna, que a seu bel prazer distribui glórias e fracassos, amores e dissabores.

O belo livro que acaba de sair sobre a vida da artista, Quando o Carteiro Chegou... Mensagem a Isaurinha Garcia, de Lulu Librandi, vem preencher em parte um pouco desse vazio criado pela ausência de Isaurinha na cena cultural brasileira.

Leia a coluna completa na edição 202 de Caros Amigos nas bancas ou loja virtual

Meteorologistas te acudam

Por Geshon Knispel

A última tormenta de neve que se abateu sobre o país, em especial nas regiões montanhosas de Israel, em Jerusalém, nos montes da Galileia e nas Alturas do Golan – foi devidamente prevista pelos meteorologistas profissionais. Mas sua voz mal foi ouvida, e as previsões ofi ciais dos canais de televisão e das emissoras de radio infl uíram fortemente sobre a indiferença que deixou a população de Israel completamente despreparada. Cidades inteiras foram cobertas pela neve: Jerusalém e Tzfat (Safed) estão isoladas – não se entra nem se sai; centenas de milhares de moradias ficaram sem energia elétrica e sem água, as vias de acesso a elas, obstruídas.

Leia a coluna completa na edição 202 de Caros Amigos nas bancas ou loja virtual

Mais artigos...

Correio Caros Amigos

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
×