Cultura deve democratizar a relação com a cidade, diz Juca Ferreira

Cultura
Typography

 

"É obrigação saber que cultura é um direito de todos", diz ex-ministro

Por Rafaella Dotta
Do Brasil de Fato

A cultura de Belo Horizonte promete adotar nova política de incentivo, diálogo e gestão. Para o cargo de presidente da Fundação Municipal de Cultura acaba de ser nomeado o ex-ministro Juca Ferreira, que também deve chefiar a Secretaria Municipal de Cultura, em processo de aprovação na Câmara dos Vereadores. A classe artística de BH recebeu Juca com elogios. “É uma excelente escolha, pela trajetória, pelo pensamento”, publicou a vereadora e atriz Cida Falabella (PSol) em sua página no Facebook. Na entrevista, ele explica porque aceitou o convite do prefeito Alexandre Kalil e dá pistas sobre a linha cultural que pretende seguir em sua gestão.

Quais foram as suas experiências mais importantes na área de gestão pública de cultura?

Juca Ferreira - Desde que voltei ao Brasil em 1980 tenho trabalhado com gestão cultural, projetos ambientais e sociais. Às vezes combinando essas dimensões em um mesmo projeto. Durante muito tempo atuei no terceiro setor junto a grupos culturais. Fui assessor da Fundação Cultural do Estado da Bahia, trabalhei no Projeto Axé voltado para crianças e adolescentes que viviam na rua, trabalhei com Gilberto Gil na Fundação OndAzul, uma ONG voltada para o meio ambiente e que tinha a cultura como instrumento para mudança. Fui Ministro da Cultura do Brasil duas vezes e secretário de Cultura da cidade de São Paulo. Entre 2010 e 2012 fui embaixador especial da Secretaria Geral Ibero Americana.

Como Kalil chegou até você? E por que aceitou o seu convite?

Quem melhor pode responder como o prefeito chegou até mim é o próprio prefeito. Soube de várias movimentações na área cultural e artística da cidade sugerindo meu nome. Aceitei porque acho que posso fazer um bom trabalho e que posso contribuir para o desenvolvimento cultural de BH. Como aceitei ser secretário de SP. Chego com a mesma humildade que tive para fazer meus trabalhos anteriores. 

O fato de não ser morador de BH pode tornar mais difícil a gestão à frente da Secretaria Municipal de Cultura? 

Nem um pouco. Conheço a vida e a cena cultural de BH. Como ministro estabeleci uma boa relação com artistas, gestores e ativistas culturais e vim muitas vezes debater, conhecer as demandas e necessidades culturais de Minas e de BH. 

Hoje, a cultura de BH tem apenas 1% do orçamento municipal. Uma reclamação constante dos artistas e produtores belo horizontinos. É possível fazer uma boa gestão com esta verba?

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

Já me manifestei sobre essa questão nas conversas que tive com o prefeito e seus assessores. É preciso ter um cuidado e uma atenção especial nesta questão dos recursos. Um mínimo de recursos é necessário para trabalhar. Sem os meios e os recursos fica muito difícil fazer.

Além da quantidade de investimento, há muitos questionamentos sobre a forma de distribuição dos recursos. A classe artística critica uma maior valorização de 'grandes shows´ em detrimento do apoio aos muitos grupos e produções locais. Qual política cultural podemos esperar de Juca?

Sempre que não se tem uma política cultural desenvolvida os "eventos" tomam conta do orçamento. 

O que seria “cultura social”, a que o prefeito Kalil se referiu ao anunciar sua nomeação? (“Ele, praticamente, é o inventor da cultura social no Brasil”, Kalil.)

Na conversa que tivemos ele insistiu que a secretaria deve democratizar de fato a relação com a cidade e com as muitas culturas e manifestações de BH e que temos obrigação de dar uma atenção a todos os setores sociais e compreender que cultura é um direito de todos. 

Conversamos também do importante papel que a cultura pode ter em uma sociedade desigual como a nossa para incluir a todos. Ele me passou a impressão que é muito comprometido com a população excluída que vive nas favelas, periferias e bairros pobres da cidade. É preciso ressaltar o esforço do prefeito em valorizar a cultura ao recriar a Secretaria Municipal e ele tem dado mostras que está buscando acertar. 

Vivemos um período de retrocessos em termos de direitos, como a cultura é impactada nesse cenário? 

A primeira medida dos que se instalaram no governo em Brasília depois de afastarem a presidenta democraticamente eleita foi tentar extinguir o Ministério da Cultura. Houve uma reação muito grande dos artistas e dos que fazem cultura em todo o Brasil e essa reação garantiu a continuidade do MinC. Agora estão desmontando por dentro as políticas e as estruturas da instituição. Em vários estados e municípios vemos o mesmo movimento de demolição. 

Como você vê a participação de artistas no movimento pelas Diretas Já? 

Saudável. Necessário é incontornável. Cultura e arte não combinam com golpe, tirania e autoritarismo.

 

 

Artigos Relacionados

 “A cultura da cidade de São Paulo está agonizando”, denuncia artista em ocupação de Secretaria de Cultura “A cultura da cidade de São Paulo está agonizando”, denuncia artista em ocupação de Secretaria de Cultura
FORA STURM Após ameaça de agressão, movimento pede saída de André Sturm do cargo de secretário...
Virada teve shows vazios e falhas de estrutura, mas Doria diz que culpa é da chuva Virada teve shows vazios e falhas de estrutura, mas Doria diz que culpa é da chuva
MINGUADA CULTURAL Alguns palcos não foram montados a tempo, outros foram esquecidos....
SP: Virada Cultural neste sábado e domingo (20 e 21) reúne opções em toda a cidade SP: Virada Cultural neste sábado e domingo (20 e 21) reúne opções em toda a cidade
VIRADA CULTURAL Megaevento neste sábado e domingo (20 e 21), em São Paulo, reúne música, teatro...

Leia mais

Correio Caros Amigos

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
×