RJ: Peça aborda transfobia a partir de assassinato de brasileira em Portugal

Cultura
Typography

O crime contra a transexual Gisberta impactou a comunidade internacional 

Da Redação

Gisberta Salce Júnior, mulher trans, foi cruelmente assassinada em Portugal no ano de 2006. Desconhecida no Brasil, sua história se tornou o enredo da peça de teatro Gisberta, que denuncia a onda de intolerância e conservadorismo que cresce no mundo. A obra entra em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) Rio de Janeiro a partir de 1º de março e fica em exibição até o fim do mês de abril.

Uma pesquisa realizada pela organização não governamental (ONG) Transgender Europe (TGEU), afirma que o Brasil responde por 42% dos 295 casos de assassinatos de pessoas trans registrados em 2015 no mundo, o que faz do país o que mais mata pessoas trans e travestis. A transgeneridade refere-se à condição na qual a identidade de gênero de uma pessoa é diferente daquela atribuída ao gênero designado no nascimento, definido a partir da genitália.

“Sou trans, quero dignidade e emprego”

Índia inaugura primeira escola para pessoas trans terminarem seus estudos

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

Sobre o abismo

Foi justamente pelo medo de ser assassinada que Gisberta fugiu aos 18 anos, em 1979, e foi a Paris. Após dois anos, mudou-se para Porto onde fez sucesso na noite gay. Posteriormente, "Gis", como era carinhosamente chamada, contraiu Aids e tomava medicação controlada. Ao presenciar o atropelamento de seus dois cães, a transexual ficou depressiva. Neste momento afastou-se dos seus amigos e perdeu o visto. Tornou-se uma imigrante ilegal e passou a morar na rua. No final de 2005, abrigou-se em um prédio abandonado e foi assassinada por um grupo de meninos que, após agredi-la e torturá-la psicologicamente por dias, jogou seu corpo em um poço. 

O monólogo é interpretado por Luis Lobianco, que apresenta vários personagens com texto concebido a partir de relatos obtidos em contatos pessoais com a família de Gisberta, do processo judicial e de visita ao local da morte.

"A reação para o rompimento com padrões sociais é uma explosão de violência cotidiana sem precedentes. Quanto mais ódio, mais a afirmação da identidade se impõe. No ar a sensação de um grande embate mundial iminente – não tem mais como se esconder no armário. Ser livre ou servir à intolerância: eis a questão", declara Lobianco, idealizador do projeto.


Serviço

Centro Cultural Banco do Brasil (Teatro III)
Rua Primeiro de Março, 66, Centro, Rio de Janeiro (tel. 21 3808-2020)
Estreia dia 1º de março,às 20h
Temporada: Quinta a domingo, às 19h30, até 30 de abril
Venda na bilheteria de quarta a segunda, das 9h às 21h ou pelo site www.ingressorapido.com.br
Ingresso: 20 (inteira) e 10 (meia)
Classificação 14 anos
70 minutos
Drama

Artigos Relacionados

Festival exibe curtas dirigidos por mulheres da nova geração de cineastas brasileiras Festival exibe curtas dirigidos por mulheres da nova geração de cineastas brasileiras
CINEMA Coletivo Vermelha promove a mostra Curta as Minas de 7 a 10 de março no Sesc Campo...
Ilú Obá de Min: 12 anos de protagonismo das mulheres negras e exaltação da cultura afro Ilú Obá de Min: 12 anos de protagonismo das mulheres negras e exaltação da cultura afro
CARNAVAL Bloco afro ocupa as ruas de São Paulo nesta sexta-feira (25), às 20h, na Praça da Repú...
Clipe de Crônica Mendes aborda os ciclos da carreira do rapper Clipe de Crônica Mendes aborda os ciclos da carreira do rapper
LANÇAMENTO A música Avisa Lá foi lançada em seu primeiro disco solo e o...

Leia mais

Correio Caros Amigos

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
×