Elizabeth Teixeira: Mulher marcada para viver

Cultura
Typography

Homenagens aos 92 anos da lutadora sem terra ocorre até sexta (14), na UFPB

Da Redação

“A luta não para. Enquanto houver a fome e a miséria atingindo a classe trabalhadora, tem que haver luta dos camponeses, dos operários, das mulheres, dos estudantes e de todos aqueles que são oprimidos e explorados”, afirma Elizabeth Teixeira em trecho do documentário de Eduardo Coutinho, Cabra Marcado Para Morrer. Os 92 anos de Elizabeth e tudo o que representa para a luta camponesa, está sendo comemorado até sexta (17) em evento promovidos pelo Memorial das Ligas Camponesas, em parceria com o Centro de Comunicação, Turismo e Artes da Universidade Federal da Paraíba (CCTA/UFPB), Secretaria de Cultura do Estado e diversos artistas parceiros. A Semana Elizabeth Teixeira tem atividades no campus da UFPB, na Usina Cultural Energisa e na Escola de Formação João Pedro e Elizabeth Teixeira, do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) , em Lagoa Seca.

Leia mais:

Elizabeth Teixeira: 90 anos de luta

Casa de João Pedro Teixeira é transformada em Memorial das Ligas Camponesas

Exposição sobre dom Pedro Casaldáliga chega a São Paulo

Elizabeth Teixeira Altino nasceu em 13 de fevereiro de 1925, filha de latifundiários. Porém, abriu mão do conforto ao se casar com João Pedro Teixeira, sem terra, negro, pobre e analfabeto. Enfrentou a família e começou a militar nas Ligas Camponesas da Paraíba. Após o assassinato do companheiro, em 2 de abril de 1962, continuou com sua militância.

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

Com o golpe militar em 1964, foi presa várias vezes, sendo obrigada a viver na clandestinidade até 1981. Ao retomar as filmagens do documentário Cabra Marcado para Morrer, interrompido na ditadura, o cineasta Eduardo Coutinho a reencontra e resgata toda sua história. Foi morar em João Pessoa numa casa que ganhou de Coutinho.

O evento começou na segunda (13), dia do aniversário de 92 anos de Elizabeth. Para celebrar esta que é uma das mulheres mais importantes e marcantes na luta camponesa do século XX, a agenda reúne filmes, debates e lançamento de livro (confira abaixo). Essa comemoração também tem o intuito de arrecadar fundos para a continuidade da construção do prédio anexo do Memorial das Ligas Camponesas, fundamental para estruturar e dar suporte a projetos de longo prazo da organização.

Confira a programação completa:

Dia 13/2 – 17h – Cine Aruanda (CCTA/UFPB – próximo à entrada em frente à rotatória da UFPB): Celebração dos 92 anos de Elizabeth Teixeira, com lançamento do livro Elizabeth Teixeira, Mulher da Terra, de Ayala A. Rocha, com show do Coral Voz Ativa, Vera Lima e Banda Manégrafia.

Dia 15/2 – 19h30 – Cine Aruanda (CCTA/UFPB): Exibição do filme Cabra Marcado Para Morrer

Dia 17/2 – 20h – Usina Cultural Energisa: Show beneficente com a participação dos artistas Adeildo, Banda Manégrafia, Coral Voz Ativa, Glaucia Lima, Escurinho, Seu Pereira, Milton Dornellas e Totonho. Adesão: R$ 20.

Dia 18/2 – Escola de Formação João Pedro e Elizabeth Teixeira/MST, em Lagoa Seca: Lançamento do livro Elizabeth Teixeira, Mulher da Terra, de Ayala A. Rocha.

 

Artigos Relacionados

"Margens do Velho Chico" e as histórias de seca, violações e esperança ao longo do rio
ÁGUA PARA O SERTÃO Em quatro capítulos, especial desvenda parte do projeto de transposição...
Cultura deve democratizar a relação com a cidade, diz Juca Ferreira Cultura deve democratizar a relação com a cidade, diz Juca Ferreira
ENTREVISTA Ex-ministro dos governos Lula e Dilma assume coordenação de cultura de Belo...
 “A cultura da cidade de São Paulo está agonizando”, denuncia artista em ocupação de Secretaria de Cultura “A cultura da cidade de São Paulo está agonizando”, denuncia artista em ocupação de Secretaria de Cultura
FORA STURM Após ameaça de agressão, movimento pede saída de André Sturm do cargo de secretário...

Leia mais

Correio Caros Amigos

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
×