Rússia e China apresentam plano conjunto para solucionar crise na península coreana

Internacional
Typography

Rússia e China apresentam plano conjunto para solucionar crise na península coreana

Por Opera Mundi

Os governos russo e chinês apresentaram nesta terça-feira (04/07) uma proposta para tentar diminuir as tensões na península coreana devido ao programa nuclear da Coreia do Norte e o antagonismo entre o país e a Coreia do Sul e os Estados Unidos.

 

A iniciativa conjunta foi decidida entre os presidentes de Rússia e China, Vladimir Putin e Xi Jinping, e busca solucionar o conflito coreano por meio do congelamento do programa armamentista da Coreia do Norte e das manobras de Estados Unidos e Coreia do Sul.

Leia mais:

Organizações se negam a participar do Fórum de Educação "desfigurado" por Temer

 

Peemedebista será relator de caso Temer na CCJ

Senado aprova urgência para reforma trabalhista

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

"A solução do problema na península coreana com o fim de garantir uma paz e estabilidade sólida no nordeste da Ásia está entre as prioridades da política exterior comum", disse Putin a jornalistas após se reunir com Xi no Kremlin nesta terça-feira.

Putin afirmou que as partes concordaram em impulsionar de maneira ativa "uma iniciativa comum, que está baseada no plano russo de recuperação do conflito coreano por etapas e a ideia chinesa de congelar paralelamente as atividades nucleares e de mísseis da Coreia do Norte e as manobras militares em grande escala de Estados Unidos e Coreia do Sul".

Após a reunião entre os dois presidentes, os ministérios de Relações Exteriores de Rússia e China divulgaram um comunicado com mais detalhes do plano. Os dois países pedem à Coreia do Norte que anuncie de maneira voluntária "uma paralisação dos testes nucleares e de mísseis balísticos".

"E (pedem) a EUA e Coreia do Sul que deixem de realizar manobras militares conjuntas em grande escala", afirmaram as duas potências na nota, na qual expressaram rejeição ao uso da força e defenderam o princípio de "coexistência pacífica".

Moscou e Pequim manifestaram sua "profunda preocupação com o anúncio da Coreia do Norte de 4 de julho sobre o lançamento de um míssil balístico", que consideram um fato "inadmissível", já que contradiz as resoluções do Conselho de Segurança da ONU.

"As partes pedem reiteradamente à Coreia do Norte para que cumpra de maneira estrita as cláusulas incluídas nas citadas resoluções", afirma comunicado.

Além disso, os dois países frisaram que a ativação do escudo antimísseis dos EUA no sudeste da Ásia "representa um grave prejuízo para os interesses de segurança estratégica dos países da região, incluindo Rússia e a China".

"As preocupações da Coreia do Norte devem ser respeitadas. Outros países devem realizar esforços para o reatamento das negociações, criar conjuntamente uma atmosfera de paz e de confiança mútua", disseram.

A Coreia do Norte anunciou nesta terça-feira o lançamento do seu primeiro míssil balístico intercontinental, um marco no programa armamentista do regime comunista, embora a Rússia mantenha a alegação de que o foguete em questão era de alcance médio.

Artigos Relacionados

Declínio de imagem do Brasil no exterior ajuda Macri a projetar Argentina Declínio de imagem do Brasil no exterior ajuda Macri a projetar Argentina
DIPLOMACIA Nos últimos meses, Macri recebeu líderes internacionais importantes, como Angela Merkel...
Com a Rota da Seda, a China entra no vácuo aberto por Trump Com a Rota da Seda, a China entra no vácuo aberto por Trump
INFRAESTRUTURA Pequim conecta 66 países em três continentes com o canteiro de obras global. O...
"Cuba não tem que receber lições dos Estados Unidos nem de ninguém", diz Raúl Castro
GEOPOLÍTICA Em discurso na Assembleia Nacional, presidente classificou como "grande retrocesso...

Leia mais

Correio Caros Amigos

 
powered by moosend
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
×
×
CORREIO CAROS AMIGOS
 
powered by moosend