Novo ataque violento em Caracas é registrado

Internacional
Typography

 

Nesta quarta-feira (5), Parlamento foi atacado durante evento de comemoração da Independência do país

Da Telesur

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, repudiou os ataques violentos registrados logo depois que chavistas se reuniram nos arredores da Assembleia Nacional para acompanhar o ato solene de leitura da declaração de Independência do país, realizada pelo vice-presidente Tareck El Aissami, em comemoração à data que completa 206 anos.

"Eu não vou ser cúmplice de atos violentos", assegurou o presidente venezuelano em seu discurso durante o desfile de comemoração da Independência que aconteceu nesta quarta-feira (4), no monumento "Paseo de Los Próceres", localizado na capital do país, Caracas.

Maduro convocou a oposição do país a encerrar os atos de violência que vêm ocorrendo no país desde abril, que buscam desestabilizar o governo, e insistiu que se deve buscar um acordo de paz através do processo Constituinte que começa a avançar no país.

Leia mais:

Rússia e China apresentam plano conjunto para solucionar crise na península coreana

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

Sistema neoliberal coloca trabalhadores uns contra os outros, diz Noam Chomsky

Peça faz crítica ao capitalismo e seu traço de religião

 

Nesta quarta-feira (4), uma multidão chavista se concentrou ao redor da Assembleia Nacional da Venezuela para acompanhar o ato de comemoração da Independência e ingressou no prédio para acompanhar o ato, onde permaneceram até o final do evento. Entretanto, ao final da leitura da declaração de Independência realizada pelo vice-presidente, parte das pessoas que estavam presentes voltaram ao monumento para presenciar o desfile cívico-militar em homenagem àqueles que lutaram pela independência da Venezuela, enquanto a outra parte permaneceu dentro do prédio onde posteriormente foram perpetrados atos de violência.

De acordo com os meios de comunicação locais, muitos parlamentares e manifestantes chavistas ficaram feridos.

A Defensoria Pública do país condenou os episódios de violência e solicitou que "os culpados sejam responsabilizados e punidos de forma exemplar".

Desde abril, a organização direitista autointitulada "Mesa de la Unidad Democrática" está realizando ataques violentos para desestabilizar o governo bolivariano. Desde então, pelo menos 80 pessoas morreram e centenas ficaram feridas durante estes ataques.

Artigos Relacionados

Declínio de imagem do Brasil no exterior ajuda Macri a projetar Argentina Declínio de imagem do Brasil no exterior ajuda Macri a projetar Argentina
DIPLOMACIA Nos últimos meses, Macri recebeu líderes internacionais importantes, como Angela Merkel...
Com a Rota da Seda, a China entra no vácuo aberto por Trump Com a Rota da Seda, a China entra no vácuo aberto por Trump
INFRAESTRUTURA Pequim conecta 66 países em três continentes com o canteiro de obras global. O...
"Cuba não tem que receber lições dos Estados Unidos nem de ninguém", diz Raúl Castro
GEOPOLÍTICA Em discurso na Assembleia Nacional, presidente classificou como "grande retrocesso...

Leia mais

Correio Caros Amigos

 
powered by moosend
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
×
×
CORREIO CAROS AMIGOS
 
powered by moosend