Extrema-direita europeia testa força eleitoral na Holanda nesta semana

Internacional
Typography

Geert Wilders: o rosto do crescimento da extrema-direita na Holanda

Por Rafael Targino
Do Opera Mundi

Cinco meses após a vitória de Donald Trump – que se elegeu presidente dos Estados Unidos baseando-se em um discurso xenófobo e protecionista –, a Holanda vai às urnas nesta quarta-feira (15) enquanto assiste, no próprio país, ao crescimento da extrema-direita, que defende posições semelhantes à do mandatário norte-americano.

O pleito é visto como o primeiro teste da ultradireita neste ano. Um resultado favorável ao partido representante deste campo, o Partido para a Liberdade - PVV, do líder Geert Wilders, pode indicar o caminho que França e Alemanha seguirão nas eleições dos próximos meses. Entre os franceses, Marine Le Pen aparece em primeiro ou segundo lugar, dependendo da pesquisa; já entre os alemães, o Alternativa para Alemanha - AfD  deve se consolidar como terceira força política.

O partido de Wilders liderava as intenções de voto até a semana passada, mas foi ultrapassado pelo Partido Popular para Liberdade e a Democracia - VVD, do atual premiê Mark Rutte. Nesta terça-feira (14), véspera da eleição, o PVV aparece disputando o segundo lugar com o CDA Apelo Democrata-Cristão - CDA, de centro-direita, e o centro-esquerdista Democratas 66 - D66.

O que Wilders e o PVV defendem?

Geert Wilders resume o plano de seu partido em uma frase: “ao invés de financiar o mundo inteiro e as pessoas que não queremos aqui, vamos gastar nosso dinheiro nos cidadãos holandeses comuns”. Para o PVV e o político, “milhões de cidadãos holandeses já se cansaram da islamização do nosso país. Chega de imigração em massa e asilo, terror, violência e insegurança”.

Leia mais:

Empresas da Islândia terão que provar que pagam mesmo salário a homens e mulheres

Reciclagem, comidas orgânicas, andar de bicicleta… não é assim que nós salvaremos o planeta

Ações anti-imigração deve-se ao racismo de Washington

O candidato propõe interromper o recebimento de asilados e imigrantes de países islâmicos, “fechando as fronteiras” – em linha com sua posição anti-União Europeia. Wilders também quer proibir o uso de véus islâmicos no serviço público, prender preventivamente “muçulmanos radicais”, fechar todas as mesquitas e escolas islâmicas e banir o Corão da Holanda. Ele já disse que gostaria de tirar do país “a ralé marroquina, que torna as nossas ruas perigosas”. No final de 2016, o político foi condenado por declarações preconceituosas contra a comunidade do país africano na Holanda.

Uma das justificativas de Wilders para ter estas posições é o que ele classifica de “ameaça” aos valores do país. Em entrevista ao jornal USA Today em fevereiro deste ano, o político disse que “os valores holandeses são baseados no cristianismo, no judaísmo, no humanismo”. “Islã e liberdade não são compatíveis", afirmou.

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

Na mesma entrevista, Wilders disse que não “voltaria para a garrafa” caso perdesse a eleição, e chamou de “primavera patriótica” seu crescimento na política holandesa. “As pessoas estão cheias da combinação de imigração em massa, islamização e medidas de austeridade que fazem com que nós cortemos aposentadorias e recursos para saúde e para os idosos enquanto damos dinheiro à Grécia e à zona do euro." O candidato defende a saída da Holanda da União Europeia, a exemplo do Reino Unido, em um “Nexit” (“Ne” vem de “Nederland”, nome do país em holandês).

O principal oponente de Wilders é Rutte, o atual premiê, do VVD. Em 2010, o mandatário inclusive precisou do PVV para governar, em uma coalizão finalizada em 2012 após saída abrupta dos eurocéticos.

O PVV vinha liderando as pesquisas até meados de fevereiro, quando o partido do premiê Rutte passou à frente. Desde então, nos números médios publicados pelo site Peilingwijzer (Indicador Holandês de Pesquisa), a diferença entre os dois vem aumentando.

Os institutos de pesquisa estimam o VVD conseguindo entre 23 e 27 assentos; o PVV, entre 19 e 23; o CDA, entre 18 e 20; o D66, entre 18 e 20; a Esquerda Verde, entre 15 e 17; o Partido Socialista, entre 15 e 17; e o PvdA (Partido para o Trabalho), de centro-esquerda, de 11 a 13 cadeiras. O Parlamento tem 150 assentos.

Ganha, mas não leva 

Mesmo se levar a maioria dos votos, dificilmente o PVV fará o primeiro-ministro – no caso, o próprio Wilders. As pesquisas indicam que os partidos precisarão fazer coligações para governar, já que nenhum deles deve atingir maioria parlamentar (na história recente holandesa, nunca se conseguiu isso), e nenhum deles se diz disposto a se juntar ao PVV para chegar aos 75 assentos.

Isso tem o potencial dar ao governo do país uma coligação superfragmentada. Segundo o jornal The Guardian, para atingir a maioria parlamentar, seria necessário, por exemplo, que VVD, CDA, D66, Esquerda Verde e PvdA se juntassem. A título de comparação, a atual coalizão que sustenta o governo de Rutte é composta somente pelo VVD e pelo PvdA.

 Para analistas, a alta fragmentação e a exclusão de Wilders da coalizão governamental, caso seu partido seja o mais votado, podem deixar a Holanda com um governo instável, que precisa lidar com múltiplos interesses dentro da administração. Isso pode causar uma eventual antecipação das eleições, previstas para 2022.

Contagem de votos

A Holanda decidiu fazer a totalização dos votos das eleições no papel, dispensando o uso de computadores na apuração. A intenção é evitar possíveis ataques de hackers na contabilidade dos votos.

Os holandeses sempre votaram em cédulas de papel, mas a contabilização é feita eletronicamente desde 2007. O que muda, agora, é que a totalização será na mão – e o governo afirma que isso não vai afetar a velocidade da apuração.

“Relatos, nos últimos dias, sobre vulnerabilidades nos nossos sistemas levantam a questão sobre se os resultados poderiam ser manipulados. Nenhuma sombra de dúvida pode ser permitida”, disse o ministro do Interior, Ronald Plasterk, em um comunicado divulgado no começo do mês. 

Artigos Relacionados

Avós da Praça de Maio comemoram o encontro de mais um  bebê sequestrado na ditadura Avós da Praça de Maio comemoram o encontro de mais um bebê sequestrado na ditadura
DIREITOS HUMANOS Encontrado o filho de Iris Garcia Soler e Henrique Bustamante sequestrados e...
Anistia Internacional alerta para onda de assassinatos de indígenas na Colômbia Anistia Internacional alerta para onda de assassinatos de indígenas na Colômbia
DIREITOS HUMANOS Seis mortes foram registradas na última semana (Foto: Anistia Internacional...
Os segredos da guerrilha curda contra o Isis Os segredos da guerrilha curda contra o Isis
CURDAS Um exército de mulheres. Uma luta constante por autonomia, politização e democracia...

Leia mais

Correio Caros Amigos

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
×