Justiça dos Estados Unidos bloqueia novo decreto anti-imigração de Trump

Internacional
Typography

Trump, por sua vez, avisou que levará a batalha legal à Suprema Corte e que sairá vitorioso do embate.

Do Opera Mundi

Um juiz federal dos Estados Unidos bloqueou temporariamente na noite desta quarta-feira (15/03) o novo decreto migratório do presidente americano, Donald Trump, horas antes de o texto entrar em vigor, o que deveria ter acontecido à meia-noite desta quinta (16/03).

A ordem do juiz Derrick K. Watson, do Havaí, deixa sem efeito a medida com a qual Trump pretendia suspender a entrada ao país de imigrantes de seis países de maioria muçulmana e de todos os refugiados. A decisão é a segunda derrota legal do governo de Trump, que já tinha visto o primeiro decreto migratório ser suspenso pela Justiça em fevereiro.

Leia mais:

Endurecimento de leis imigratórias na Argentina atinge diretamente população latino-americana

Coreia do Norte ameaça atacar armas estratégicas dos EUA

Snowden descreve descoberta de supostas ferramentas de espionagem da CIA como "grande preocupação"

Após uma breve e infrutífera batalha nos tribunais, Trump decidiu apresentar uma versão revisada do decreto, promovendo mudanças que rebaixaram o tom da medida e convencido de que, desta vez, a ordem executiva não seria alvo de ações judiciais.

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

 

No entanto, Watson decidiu suspender o decreto atendendo ao pedido apresentado pelo procurador-geral do estado do Havaí, o democrata Doug Chin, que alegou que o decreto, assim como o primeiro, também é inconstitucional.

Watson era um dos três juízes que analisavam o futuro da ordem presidencial. Há audiências pendentes em Maryland e no estado de Washington, responsável por suspender o primeiro decreto.

A nova medida de Trump suspendia durante 120 dias o programa de amparo de refugiados e por 90 a entrada de cidadãos procedentes de Irã, Somália, Sudão, Síria, Iêmen e Líbia.

Diferentemente do primeiro texto, o novo decreto deixa de fora da lista de banidos os cidadãos do Iraque e modifica as medidas em relação aos refugiados sírios, que terão a entrada no país proibida durante 120 dias e não de forma indefinida como estabelecia a ordem executiva inicial de Trump.

Reação

Trump, por sua vez, avisou que levará a batalha legal à Suprema Corte e que sairá vitorioso do embate.

"Vamos brigar contra essa terrível decisão, vamos chegar até a Suprema Corte, ganhar e manter seguros nosso país e nossos cidadãos", disse Trump em um ato em Nashville, no Tennessee.

O mandatário classificou a decisão de Watson como um "excesso judicial sem precedentes" e reiterou que a Constituição do país concede poderes ao presidente para suspender a imigração em prol da segurança nacional.

Além disso, antecipando que os recursos apresentados pelo governo serão negados no Tribunal de Apelações do Nono Circuito - uma corte que Trump considera "politizada" -, o republicano avisou que levará a batalha legal sobre o decreto até a Suprema Corte.

"Acredito que devemos voltar ao primeiro decreto e percorrer todo o caminho até a Suprema Corte. Isso é o que eu queria ter feito em primeiro lugar", disse o presidente.

Artigos Relacionados

"Putin Interviews": Oliver Stone desafia o excepcionalismo americano
ORIENTE Assistir a série de documentários de Stone sobre Putin é obrigatório para o pú...
Suprema Corte dos EUA aceita julgar veto migratório de Trump e permite que norma entre parcialmente em vigor Suprema Corte dos EUA aceita julgar veto migratório de Trump e permite que norma entre parcialmente em vigor
XENOFOBIA Cidadãos de Irã, Somália, Iêmen, Líbia, Síria e Sudão, países de maioria muç...
Temer na Noruega: fiasco e humilhação Temer na Noruega: fiasco e humilhação
CRISE Acossado por denúncias, presidente buscou agenda positiva, mas encontrou protesto, cometeu...

Leia mais

Correio Caros Amigos

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
×