Mélenchon: "Com abstenção e votos brancos, nulos e em Macron, França rejeitou extrema-direita"

Internacional
Typography

 

Emmanuel Macron foi eleito presidente da França neste domingo (7)

Do Opera Mundi

Jean-Luc Mélenchon, líder da coalizão de esquerda França Insubmissa que ficou em quarto lugar no primeiro turno da eleição presidencial, afirmou neste domingo (7) que o país “rejeitou a extrema-direita” representada por Marine Le Pen, derrotada por Emmanuel Macron no segundo turno, de acordo com resultados preliminares.

 

“Esta noite termina a Presidência mais lamentável da V República, que praticamente destruiu qualquer confiança que tinham nela. Mas, novamente, pela abstenção, votos brancos e nulos, e também com votos a favor do sr. Macron, nosso país rejeitou a extrema direita”, declarou Mélenchon.

 

De acordo com o resultado preliminar, o liberal centro-direitista teve 65,8% dos votos, enquanto a ultradireitista teve 34,2%. A abstenção chega a 25% e os votos brancos e nulos totalizam 12%, o que levou Mélenchon a dizer que Le Pen terminou em terceiro lugar, “atrás de Macron, dos votos brancos e nulos e da abstenção”.

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

Leia mais:

Venda da Vale completa 20 anos e foi um dos maiores crimes cometidos contra o Brasil

Porto do Açu: um caso de “acumulação por espoliação”

Ex-ministra Eleonora Menicucci critica condenação: "Ataque a todas as mulheres" 

O líder da França Insubmissa felicitou Macron pela vitória, mas apontou sua “irresponsabilidade ecológica” e chamou os franceses a abraçar as propostas de sua coalizão nas eleições legislativas, que serão realizadas em junho.

“As eleições legislativas devem mostrar que chegou o momento de uma escolha positiva, a escolha de um futuro em comum” em nome de seu programa, disse Mélenchon. “Chamo a todos os que são prontos a romper com o passado a se unir à França Insubmissa.”

Para Mélenchon, “este país não está condenado nem ao poder dos ricos, nem ao poder do ódio”. “Em 18 de junho, nossa resistência pode vencer a batalha”, ressaltou sobre as eleições parlamentares. 

Artigos Relacionados

Portugal: as causas ocultas do mega-incêndio Portugal: as causas ocultas do mega-incêndio
DESERTO VERDE Um naturalista português explica: florestas foram substituídas por eucaliptos;...
Em ato público, Cristina lança frente partidária e critica Em ato público, Cristina lança frente partidária e critica "agressão neoliberal" de governo Macri na Argentina
ARGENTINA Ex-presidente não confirmou candidatura ao Senado, mas disse que se somará a esfor...
"Cuba não negociará princípios, nem aceitará condicionamentos", diz chanceler de Havana sobre Trump
AMÉRICAS Bruno Rodríguez Parrilla reiterou vontade de Havana de '"dar continuidade ao diá...

Leia mais

Correio Caros Amigos

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
×