Assombrado pela Lava Jato, Padilha volta à Casa Civil com futuro indefinido

Política
Typography

 

 

Temer pretende conversar com ele para discutir sua situação no governo em meio ao agravamento das denúncias

Do Congresso em Foco

O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, volta ao trabalho em Brasília, nesta segunda-feira (13), após uma licença de duas semanas para a retirada da próstata. O afastamento do ministro, em 27 de fevereiro, coincidiu com a elevação das denúncias contra ele nas investigações da Operação Lava Jato. Desde então, Padilha, que é um dos auxiliares mais próximos do presidente Michel Temer, tem futuro incerto no governo. O nome dele é dado como certo na lista dos novos investigados da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), com base nas delações premiadas de 77 executivos da Odebrecht.

Segundo interlocutores de Temer, o presidente pretende conversar com o ministro e cobrar sua versão sobre as suspeitas levantadas nas últimas semanas contra ele. Amigo pessoal do presidente e seu ex-assessor especial, o advogado José Yunes disse à imprensa e ao Ministério Público Federal que foi usado como “mula” por Padilha para receber um “pacote” repassado pelo doleiro Lúcio Bolonha Funaro, preso na Lava Jato. Suspeita-se que no volume havia dinheiro não declarado para a campanha eleitoral do PMDB.

Leia mais:

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

Das reformas de Temer à mexicanização do Brasil

Venezuela critica declarações "insolentes" de Aloysio Nunes

O martelo e o capacete

O ex-vice-presidente da Odebrecht Cláudio Melo Filho relatou que o gaúcho participou da reunião em que o presidente Michel Temer e o então presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, combinaram uma “ajuda financeira” para o PMDB nas eleições de 2014.

Nesse fim de semana, veio a público depoimento de outro ex-diretor da empreiteira. Segundo José de Carvalho Filho, um dos delatores do processo que corre no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra a chapa Dilma-Temer, Padilha usava quatro senhas para receber os repasses do grupo: Foguete, Árvore, Morango e Pinguim. O delator contou ao TSE que o ministro intermediou o pagamento de caixa dois para o PMDB nas últimas campanhas eleitorais.

De acordo com o Estadão, José de Carvalho afirmou que o montante total destinado ao PMDB chegou a R$ 4 milhões, dos quais R$ 500 mil foram reservados ao deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), um dos caciques do partido nos últimos anos.

Membros do PMDB avaliam nos bastidores que Yunes resolveu falar sobre o assunto à imprensa com o objetivo de blindar Temer das investigações sobre o esquema de corrupção. O advogado jogou a responsabilidade pelos repasses de dinheiro a Padilha. Assim, com o ministro da Casa Civil posto no foco das acusações, Temer estaria protegido pelo amigo e ex-assessor especial.

Artigos Relacionados

Decreto de Temer permite uso das Forças Armadas para Decreto de Temer permite uso das Forças Armadas para "garantia da Lei e da Ordem"
EXCEÇÃO Em coletiva, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou que a medida foi tomada a...
Presidenciável em eleição indireta, Meirelles foi artífice da ascensão de Joesley Presidenciável em eleição indireta, Meirelles foi artífice da ascensão de Joesley
CRISE POLÍTICA Ministro da Fazenda esteve por quatro anos à frente do conselho consultivo da...
Paulo Maluf é condenado no STF por lavagem de dinheiro Paulo Maluf é condenado no STF por lavagem de dinheiro
JUSTIÇA Decisão diz respeito a esquema de desvios em obras estimado em mais de US$ 170 milhõ...

Leia mais

Correio Caros Amigos

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
×