Defesa diz que Lava Jato restringe acesso a documentos e ofende memória de Marisa

Política
Typography

 

Advogados de Lula rebatem alegação de procuradores sobre suposta tentativa de atribuir culpa a ex-primeira-dama, e reclama do desequilíbrio no acesso a documentos da Petrobras

Da Rede Brasil Atual

Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmam que integrantes da Operação Lava Jato atentam contra a memória da ex-primeira-dama Marisa Letícia, ao afirmar que Lula teria tentando transferir responsabilidades à mulher, morta em fevereiro, durante depoimento ao juiz Sérgio Moro na última quarta-feira (10). 

Em nota divulgada nesta quinta (11), a defesa do ex-presidente diz que dona Marisa "jamais cometeu qualquer ilegalidade ao longo da vida e sempre mereceu o respeito de todos", e que não poderiam justificar nem denúncia nem ação penal contra ela. E que desde antes de sua morte todos os argumentos da defesa sobre o papel de Marisa no caso já era apresentado aos acusadores. A defesa afirma, ainda, que causa "espanto" que até agora a ex-primeira-dama não tenha sido inocentada sumariamente, como determina a lei em casos de falecimentos.

PUBLICIDADE
,
PUBLICIDADE

"Causa assim estranheza que o depoimento do ex-presidente ao Juízo de Curitiba, no que tange a sua esposa, tenha recebido os comentários da Força Tarefa que a imprensa explorou hoje. O testemunho de Lula, ontem, não diverge do que ele e nós, seus advogados, já vínhamos afirmando há mais de um ano." 

Em outra nota, os advogados Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Martins reclamam que ainda não tiveram acesso a todos os documentos da Petrobras relacionados ao processo, mas apenas àqueles que foram selecionados pelos advogados de defesa da estatal que, nesse caso, atuam assistentes da acusação. A defesa de Lula questiona a disparidade em relação às demais partes envolvidas, que tiveram acesso a toda documentação. 

"O que a defesa questionou ontem – e foi registrado pela advogada Valeska Martins à imprensa, em Curitiba – é que, enquanto o Ministério Público Federal, a Polícia Federal e a assistente de acusação têm acesso a todo e qualquer material da empresa para usar na ação, isso é negado à defesa de Lula. Não se trata de conhecer apenas materiais selecionados – como a ata a que se referiu a Força Tarefa - o que fere a garantia da paridade de armas", alegam os advogados de Lula. 

Ainda na terça-feira (9), um dia antes do depoimento do ex-presidente à Justiça Federal, a defesa entrou com reclamação disciplinar contra o juiz Moro, no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em que pedem "eventual imposição de sanções disciplinares" pela proibição de gravação do depoimento por parte da defesa. 

 

Artigos Relacionados

Decreto de Temer permite uso das Forças Armadas para Decreto de Temer permite uso das Forças Armadas para "garantia da Lei e da Ordem"
EXCEÇÃO Em coletiva, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou que a medida foi tomada a...
Presidenciável em eleição indireta, Meirelles foi artífice da ascensão de Joesley Presidenciável em eleição indireta, Meirelles foi artífice da ascensão de Joesley
CRISE POLÍTICA Ministro da Fazenda esteve por quatro anos à frente do conselho consultivo da...
Paulo Maluf é condenado no STF por lavagem de dinheiro Paulo Maluf é condenado no STF por lavagem de dinheiro
JUSTIÇA Decisão diz respeito a esquema de desvios em obras estimado em mais de US$ 170 milhõ...

Leia mais

Correio Caros Amigos

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
×